Meu Perfil
BRASIL, Nordeste, RIO LARGO, Rua Dr Emilio De Maia 191, Mulher, de 15 a 19 anos, English, Música, Informática e Internet, Cinema,Sair com os Amigos.
MSN - Danielly_Lavigne191@hotmail.com




 Dê uma nota para meu blog


 UOL - O melhor conteúdo
 BOL - E-mail grátis
 Avril Lavigne Brasil
 Avril Lavigne Oficial





My World


Dor e solidão formam minha vida injusta

O que eu sou

Um ser maldito excluído da natureza e da sociedade

De minha família

Sem amigos

Sem alma

Sem conseqüências

Sem pensamentos

Sem responsabilidades

Sem impulsos

Sem amor

Sem coração

Sem vida;

Sou apenas mais uma pessoa num mundo injusto

Onde nada nem ninguém me entende

Minha família me despreza e me critica  

Sou apenas mais um brinquedo de dor

Um brinquedo sem utilidade

Minha doença emocional não é compreendida

Minha alma não é bem querida

Meus olhos são vazados de dor

Minha boca sangra e chora sem a doce morte

Que me deixou em prantos sem solução

Aqui estou

Aqui sou

Vermes me desejam

Abutres me esperam para o jantar

A terra, maldita terra me suga para si

E nada nem ninguém me entende além de um mísero boneco de pano

Que até parece ser muito feliz, mas é apenas sua boca mal desenhada

Mas ele também não tem ninguém para lhe confortar

Aqui nós dois estamos

Aqui nós dois morremos

Nessa vida injusta e maldita.

 



Escrito por Danielly Medeiros às 20h55
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]



Não era tanto... Mas não cabia no peito

Era mais que pranto com lágrimas e olhos vermelhos

Assim pelo meu desespero,

Por despetalar o que fora inteiro

A dor era o amargo lenitivo

Era fronteira que dividia os sentidos...

E unificava os versos como música

Ah! Se aquela estação fosse a última!

Se não houvesse tantas após

Se o tempo não fosse meu próprio algoz

Quando a noite findava a loucura

Adormecia em Sol menor e despertava com a Lua

Seguia os áureos ventos que insinuavam as veredas

Era um peregrino das paisagens serenas

Mas se aproximava o temporal e o cataclismo

Agora a brisa é vendaval, e ascensão é declínio

Via o vão abissal que fragmentava minha alma

Eu já não era imortal como imaginava

Assim como o palco vazio de um teatro

Meu espírito num monólogo e... fim do primeiro ato!

Resta-me o império devastado, E uma esperança em  ruínas

Que antes da noite chegar, Tu me levarás a vida

Agora... sou constelação de uma estrela

Sei que não é o momento..Mas desculpe minha tristeza.

 

 

 



Escrito por Danielly Medeiros às 20h47
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]



Os dias estão mais longos

Tá difícil respirar agora

Sinto que já não estou aqui

Sinto muito frio

tenho medo... tenho ódio...

Uma revolta e ao mesmo tempo

Um remorso... de não poder voltar atrás

Está feito e nada,

Absolutamente nada vai mudar isso...

Perder a ilusão foi apenas o começo,

Mas o que viria a acontecer

Agora, já nunca pude imaginar...

Ou se quer sonhar... está escrito...

Está consumado... as marcas em meu corpo...

São somente para me lembrar...

Que não foi um sonho... isso é real...

Um espelho que me mostra verdadeiramente

Como eu sou... isso dói... muito...

Uma dor que nem todas as palavras

Deste mundo poderia descrever...

Nunca acreditei em destino...

Mas o que presenciei...

Me mostra que não posso fugir...

Do que esta reservado para mim...

Que assim seja.

 



Escrito por Danielly Medeiros às 20h33
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]



[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]